Notícias Áreas home 01

Anuncie aqui

Como implantar academia de ginástica em condomínios

Publicado em: 18 de maio de 2022

A academia de ginástica em condomínios é vista, muitas vezes, como um gasto. Nem metade dos moradores utilizam o equipamento, motivo que o faz ser questionado até mesmo pelo síndico. Porém, fato é que uma academia é vista de forma positiva para valorizar os imóveis.

 

 

Ela é, sim, importante para os condomínios por diversos motivos. Mas, antes qualquer coisa, o síndico ou a administradora deve ter conhecimento de todas as etapas de implementação de uma academia de ginástica em condomínios. Nosso post aborda exatamente isso. Confira!

 

Importância da academia de ginástica em condomínios

A academia de ginástica em condomínios não é apenas um equipamento que aumenta o valor agregado da edificação. Ela tem uma especial função de promover a saúde dos moradores e estimular a boa convivência entre eles. Você sabia que muitas pessoas, especialmente as mais idosas, procuram por atividades que podem ser feitas junto a outras pessoas para se socializarem? A academia de ginástica em condomínios também pode servir a esse propósito.

Isso, é claro, se ela for bem equipada, porque assim se torna um incentivo para quem deseja praticar alguma atividade física, mas tem preguiça de ir às academias convencionais. É também um incentivo para aqueles que têm pouco tempo para malhar.

Podemos ainda apontar alguns benefícios que a academia de ginástica traz para o próprio condomínio, como melhor relação custo-benefício das áreas de lazer, já que é mais um equipamento que poderá ser usufruído pela coletividade, e maior preservação dos ativos do condomínio, se encararmos a academia como um investimento.

Para os condôminos, a academia de ginástica em condomínios apresenta outras vantagens:

  • Promoção da autoestima, do equilíbrio profissional e pessoal, e contribuição para o melhor desempenho profissional devido à prática de atividade física;
  • Promoção da saúde e de um estilo de vida mais saudável, com impacto positivo na alimentação e no gerenciamento do estresse;
  • Desenvolvimento de conceitos de respeito, disciplina e educação por meio de programas esportivos para todas as idades;
  • Mais comodidade, segurança e economia de tempo e dinheiro na prática de exercícios físicos;
  • Relações interpessoais entre os moradores;
  • Combate ao sedentarismo;
  • Melhor qualidade de vida.

 

Passo a passo para implantar uma academia de ginástica em condomínios

A prática de exercícios físicos no Brasil tem se tornado muito comum e com isso os espaços de ginásticas em condomínios também, com maior destaque para os novos condomínios. Para aqueles que ainda não possuem um espaço de ginástica, é possível a sua implantação a partir do desenvolvimento de um projeto que inclui a definição do espaço, a compra de equipamentos apropriados e até mesmo a contratação de um professor.

Confira a seguir o passo a passo para implantar uma academia de ginástica em condomínios.

 

1. Realizar uma pesquisa com os moradores

O desenvolvimento de uma pesquisa com os moradores do condomínio quanto à implantação da academia de ginástica deve ser o primeiro passo para a elaboração de um projeto. Por meio dela, o síndico conseguirá ter noção do verdadeiro interesse dos moradores e quais os tipos de equipamentos poderão ser adquiridos para a academia de ginástica a partir das sugestões feitas na pesquisa.

Atualmente, já existem bons softwares de gestão de condomínio que permitem fazer essa pesquisa de forma online.

A realização dessa etapa também é importante para que os moradores percebam que a gestão se preocupa, em primeiro lugar, com o interesse da coletividade. Se a pesquisa retornar resultados que indicam que o perfil dos condôminos não é coerente com a implantação de uma academia de ginástica em condomínios, é melhor pensar em outros projetos.

2. Elaborar um projeto de implantação da academia

Se a pesquisa com os moradores tiver um retorno positivo quanto à implantação da academia de ginástica em condomínios, o síndico terá sinal verde para começar, de fato, o projeto.

O primeiro passo na elaboração do projeto é a escolha do espaço dentro do condomínio. O tamanho mínimo ideal para o conforto do usuário é de 16m². O espaço também deverá ser arejado e com claridade.

No projeto, deverão constar as seguintes informações: a quantidade de unidades no condomínio, a média de moradores, o desenho do espaço (incluindo os tipos de equipamentos e sua quantidade), a distância entre os equipamentos (deve variar de 40 cm a 1 m), os acessórios, a existência de espelhos, aparelho de som, bebedouro e itens de decoração.

Juntamente com a elaboração do projeto, o síndico deve se antecipar e colher orçamentos e projetos em 3D no mercado. É muito importante, nesta etapa, considerar a saúde financeira do condomínio.

Para pedir orçamentos, não pode se esquecer dos equipamentos essenciais para a academia, tais como esteira e bicicleta ergométricas, conjunto de halteres emborrachado com o respectivo suporte, estação de musculação, colchonetes emborrachados, bancos reguláveis, espaldar de madeira, fita de suspensão e kit elástico. Para se ter uma ideia, esse orçamento pode custar, em média R$ 19 mil.

3. Apresentar o projeto para aprovação dos moradores em assembleia

O terceiro passo para a implantação de academia de ginástica em condomínios é convocar a assembleia de condomínio para que o projeto seja apresentado aos moradores e, posteriormente, aprovado.

Mais uma vez, o síndico pode se antecipar e utilizar o software de gestão de condomínios para enviar o projeto previamente para os moradores. Dessa forma, eles chegam à reunião já sabendo todos os detalhes e utilizam o momento para esclarecer eventuais dúvidas que possam surgir.

Na assembleia, após dirimir as dúvidas, os condôminos deverão aprovar o orçamento e as obras, embora a implantação de academia de ginástica em condomínios poder ser considerada uma obra voluptuária. Vale lembrar que esse tipo de obra não aumenta o uso habitual da coisa, sendo de mero deleite ou recreio.

Para as obras voluptuárias, o quórum é de dois terços de todos os condôminos, incluindo aqueles ausentes na reunião. Além de aprovar a obra em si, esse quórum é necessário para decidir sobre eventual mudança de destinação da área comum onde serão instalados os equipamentos.

 

4. Realizar as obras necessárias para o espaço

Após a aprovação da assembleia, o síndico deverá contratar os prestadores de serviços para executar as obras necessárias para implantar a academia de ginástica em condomínios. Se já existir um espaço destinado à academia, podem ser necessários apenas alguns reparos. Caso não tenha um espaço, ele deverá ser construído na área comum.

Na hora de realizar tais obras, o síndico deve ter consciência de alguns itens obrigatórios, como o piso emborrachado. Além de evitar acidentes e absorver impactos, o piso abriga melhor os equipamentos, evitando o deslocamento enquanto estiverem em uso.

Para os condomínios que já possuem um espaço, é possível que soluções simples, além da compra de equipamentos e acessórios, renovem o ambiente e o torne propício para a prática adequada de atividade física. Há locais que demandam somente a pintura e a colocação de espelhos, por exemplo.

Como implantar academia de ginástica em condomínios

5. Adquirir equipamentos de ginástica

A 5ª etapa de implementação de uma academia de ginástica em condomínios é a aquisição de equipamentos. Com o espaço pronto, executado conforme o projeto, o síndico deverá adquirir os equipamentos, dando preferência para os profissionais. Isso porque alguns aparelhos de ginástica possuem um ciclo de vida curto, principalmente os de uso doméstico, o que pode prejudicar o funcionamento da academia de ginástica e também a saúde dos seus usuários.

Em alguns condomínios, o síndico prefere montar a academia por partes, para sentir a aceitação dos moradores. Esse “escalonamento” deve estar previsto no projeto apresentado na assembleia. À medida em que for sentindo que a proposta deu certo, pode incluir outros equipamentos além da esteira, da bicicleta ergométrica e da estação de musculação, até atingir o projeto original.

Mas quais equipamentos adquirir? Veja alguns itens essenciais para a academia de ginástica em condomínios.

Esteira

A esteira é, sem dúvida, um dos equipamentos essenciais para academia de ginástica em condomínios. Mas não se espante, porque é o mais caro deles. O síndico deve ter consciência que as esteiras que são utilizadas em espaços acessados por uma coletividade possuem perfis e especificações diferentes das esteiras utilizadas em residências. Verifique se ela possui a configuração mínima exigível, que inclui:

  • Painel eletrônico com cronômetro: informações sobre velocidade, monitoramento cardíaco, distância percorrida e consumo calórico;
  • Motor de 1,2 HP de corrente alternada;
  • Velocidade entre 1 km/h e 16 km/h;
  • Sistema de absorção de impacto;
  • Área de manta de 135 x 46 cm;
  • Inclinação eletrônica de 15%;
  • Peso máximo de até 150 kg;
  • Chave de segurança.

Vale destacar que as melhores marcas do mercado dão garantia de 5 anos para o motor, 3 anos para a estrutura, e 1 ano para as demais partes. A assistência técnica é permanente.

Bicicleta ergométrica

O segundo item mais caro para uma academia de ginástica em condomínios é a bicicleta ergométrica. Apesar disso, é essencial. Junto com a esteira, são os equipamentos responsáveis pela prática de atividade aeróbica. E nem todas as pessoas podem utilizar a esteira por limitações físicas. Por isso, a bicicleta é imprescindível.

E, assim como a esteira, existe uma versão ideal para uso em academia de ginástica em condomínio:

  • Painel eletrônico programável: informações sobre rotações por minuto (RPM), tempo, distância, calorias consumidas e frequência dos batimentos cardíacos;
  • Bicicleta eletromagnética com banco ergonômico ajustável;
  • Peso máximo de até 135 kg.

A bicicleta, em geral, possui garantia de 2 anos.

Estação de musculação e acessórios

Fechando os equipamentos essenciais de academia de ginástica em condomínios, estão a estação de musculação e os acessórios. A estação permite que o praticante faça mais de 20 tipos de exercício, envolvendo extensão e flexão de pernas, elevação de ombros, remada alta e remada baixa, pulley e outros.

Além disso, um bom equipamento possui coluna de peso entre 60 e 70 kg, mesa Scott regulável, cobertura de proteção para pesos e encostos, além de assentos revestidos de espuma. A garantia costuma ser a mesma da bicicleta.

Para completar a academia, é preciso ter:

  • Conjunto de halteres, variando entre 1 a 12 Kg;
  • Bancos reguláveis;
  • Bolas de pilates;
  • Tornozeleiras;
  • Colchonetes;
  • Bastões.

Por fim, não se esqueça de colocar espelhos nas paredes da sala, lixeira de pedal, porta-toalhas de papel, e, quando possível, uma pia e um dispensador de álcool gel. Por ser um espaço com equipamentos de alto valor, é recomendável ter câmeras de segurança e interfone instalados no local

 

6. Desenvolver um regulamento

Equipar a academia de ginástica em condomínios é a etapa mais custosa da implementação. E apesar de ser importante, esse equipamento de uso comum só será bem utilizado se houver um regulamento.

O desenvolvimento de um regulamento para a academia de ginástica também é um ponto essencial, pois será responsável por estabelecer as regras de uso. Dentre os benefícios de elaborar o regulamento, está o de preservar os equipamentos e ter um controle de quem frequenta a academia. Isso permitirá ao síndico avaliar a experiência e, se for o caso, investir mais no local.

O ideal é que sejam definidos itens como:

  • Controle de acesso ao espaço com dados essenciais, como nome, data e horário de entrada e saída (livro de presença a ser preenchido toda vez que o usuário frequentar a academia);
  • Regras para a utilização do espaço por crianças, que só pode ser realizada a partir dos oito anos de idade e acompanhada por um profissional (já existem equipamentos voltados para crianças);
  • Criação do termo de responsabilidade para o usuário em relação à prática de exercícios físicos e os seus eventuais riscos à saúde;
  • Penalidades para os usuários que desrespeitarem o regulamento, inclusive com a possibilidade de suspensão de uso;
  • Em caso de espera para a utilização dos aparelhos, cada usuário poderá utilizá-lo por, no máximo, 45 minutos;
  • Restrição da utilização da academia de ginástica apenas para os moradores do condomínio;
  • Responsabilidades dos usuários em caso de avarias;
  • Horário de funcionamento da academia.

Todas as regras devem ser elaboradas e aprovadas na assembleia.

 

7. Contratar um profissional

A contratação de um professor para a academia de ginástica também é um tema muito importante a ser discutido entre os usuários do espaço. É a última etapa da efetiva implantação de uma academia de ginástica em condomínios.

O primeiro passo para a contratação é realizar uma pesquisa entre os moradores para discutir o período ideal de trabalho, o número de interessados e a forma de pagamento dos serviços. Em todo caso, a contratação do professor deve ocorrer de acordo com a demanda do condomínio.

Sobre o horário de trabalho, estima-se que cerca de 9 horas semanais já consegue contemplar todas as idades. É possível separá-las em 3 dias, sendo uma hora diária para atividades coletivas voltadas para a 3ª idade, uma para adultos e outra para crianças.

Acerca do pagamento, uma ideia é dividir o valor entre os interessados em frequentar as aulas coletivas que serão dadas na academia. Se for esse o mecanismo, será preciso ter mais eficiência na hora de controlar a presença. Não custa lembrar que as aulas coletivas promovem maior interação entre os condôminos, o que contribui para a boa convivência.

O síndico tem um especial dever nesta etapa de contratação do professor, que é o de conscientizar os moradores para a importância de ter um profissional de Educação Física, devidamente registrado junto ao CREF (Conselho Regional de Educação Física), no condomínio.

Como implantar academia de ginástica em condomínios

Atribuições do professor

O professor de educação física será responsável por evitar a prática de atividade física de forma errada, minimizando o risco de lesões devido ao trabalho inadequado ou aos acidentes com os equipamentos. Infelizmente, muitos praticantes procuram informações na internet sobre exercícios físicos e séries de treinamento. Porém, desconsideram que somente um treino elaborado por profissionais qualificados trará resultados e evitará lesões. Especialmente porque cada pessoa possui características físicas e fisiológicas que interferem na escolha do exercícios.

Além de fiscalizar a prática, o profissional também deverá atuar como um motivador da atividade física, estimulando a utilização de outros espaços comuns. Ele poderá, inclusive, montar programas específicos de exercícios para os usuários, o que também serve como um incentivo aos moradores.

E não é preciso restringir o professor à academia. O condomínio pode optar por tê-lo por mais horas semanais para que ele implemente outras atividades que aproveitem a piscina (hidroginástica e natação), a quadra poliesportiva (escolinha de esportes e torneios internos), o playground e outras áreas comuns (ginástica, yoga, alongamentos e outras atividades)

De fato, é preciso reconhecer que poucos são os condomínios que contam com a presença de um professor para acompanhar os usuários nas práticas de atividades físicas. Porém, se a prioridade é promover o bem-estar e a qualidade de vida da coletividade, é importante considerar essa opção como algo crucial.

8. Realizar a manutenção periódica dos equipamentos

A efetiva implantação da academia de ginástica em condomínios termina com a contratação do professor. Porém, após implantá-la, é preciso realizar a manutenção periódica dos equipamentos e a limpeza para manter o local sempre funcional.

A ideia é garantir mais durabilidade aos equipamentos e bem-estar aos usuários da academia. Além disso, manter tudo com aparência de novo também é um incentivo para os moradores mais preguiçosos. Afinal, não são poucas as pessoas que usam o argumento de que não vão para a academia do condomínio, porque os equipamentos são velhos ou mal cuidados.

Durante o período de garantia, geralmente, o fabricante dá a orientação necessária para a manutenção preventiva. Após o término da garantia, o ideal é contratar uma empresa específica para realizar este serviço de manutenção preventiva periodicamente. Como os equipamentos possuem materiais que entram em contato com suor o tempo todo, é preciso ficar atento aos parafusos e à presença de ferrugem.

Implantar uma academia de ginástica em condomínios depende de uma série de passos que o gestor deve adotar. Em primeiro lugar, é preciso que ele entenda a importância desse equipamento para a coletividade, transmitindo isso também para os moradores. Se os condôminos comprarem a ideia, certamente responderão à pesquisa prévia, primeira etapa, de forma positiva.

Diante do retorno positivo, basta elaborar um projeto e aprová-lo em assembleia para efetuar as obras necessárias e a compra de equipamentos. Com a academia montada com os itens essenciais, é preciso elaborar um regulamento para que os usuários saibam as regras de uso. Por fim, basta verificar a possibilidade e a demanda em contratar um profissional responsável e realizar a manutenção periódica.

Ter academia de ginástica em condomínios já foi considerado algo supérfluo. Mas diante da preocupação em promover o bem-estar e a qualidade de vida, especialmente em um mundo estressante como o atual, pode ser algo muito valorizado, tanto externa quanto internamente. Que tal experimentar?

 

 

Fonte: CondoBox

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *