Notícias Manutenção Interna

Anuncie aqui

Dedetização: veja dicas para evitar transtornos

Embora não desejável, a presença de insetos e pragas em condomínios é muito comum. Veja dicas de dedetização para evitar transtornos

 

Dedetização: veja dicas para evitar transtornos. Foto: Dedecom

 

Como todo bom síndico sabe, a época de maior proliferação de pragas e vetores é na primavera e no verão. Mas nem por isso, nas demais estações do ano, devemos nos descuidar da prevenção desses insetos, afinal de contas ratos, baratas e outras pragas se reproduzem o ano todo.

Além disso, existe um consenso de que é necessário contratar serviços de dedetização a cada seis meses. Portanto, não espere até os meses mais quentes para agir.

 

Quando realizar o controle de pragas?

 

O síndico é o responsável pelo zelo das áreas comuns do condomínio. Logo, uma infestação de pragas que cause qualquer tipo de prejuízo à saúde dos moradores poderá ser motivo de ação judicial por parte do condômino que se sentir prejudicado.

Dessa forma, como enfatiza Silmara, supervisora da Dedecom Dedetizadora, é mais vantajoso para o condomínio formalizar contratos de prestação de serviços para o ano todo, já que dessa forma o condomínio “garante o supervisionamento profissional da estrutura, torna a proteção contra pragas mais duradouras e economiza em possíveis prejuízos causados por infestações”.

 

Pragas mais comuns

 

  • Pombos: aves inimigas;
  • Ratos: transmissores de doenças vivem sob entulho;
  • Baratas: invasoras sorrateiras vivem dentro e fora das casas;
  • Aranha: Vivem dentro das casas e jardins;
  • Cupins: Se alimentam de celulose e lixos, e vivem dentro da casa;
  • Formigas: Surgem mais nos jardins e podem causar alergias;
  • Traças: Pequenos insetos de corpo achatados danificadores de roupas e papéis.

 

O que exigir na hora de contratar uma empresa?

 

A contratação de uma empresa especializada para lidar com os pesticidas exige muita atenção por parte do síndico. Afinal de contas, os inseticidas são venenos e se não forem manuseados de forma profissional podem pôr em risco moradores, colaboradores e os próprios profissionais prestadores do serviço.

 

“Se a aplicação for malfeita, pode causar danos à saúde de moradores, colaboradores e dos animais de estimação. E isso se aplica tanto para a dedetização, quanto para a desratização”, de acordo com Silmara.

 

Portanto, é essencial que a empresa escolhida seja séria e siga todas as recomendações legais, inclusive com a apresentação dos seguintes documentos na hora da contração da prestação de serviços:

  • Licença de funcionamento da vigilância sanitária;
  • Cópia de contrato social e cartão de CNPJ;
  • Documentos do responsável técnico.

 

Ainda que muitos síndicos se eximam deste cuidado, é fundamental conferir se a empresa contratada possui responsabilidade socioambiental. Isso porque o decreto n 4.704/02 regulamentou a Lei n 7802 , de julho de 1989, que dispõe sobre pesquisa, experimentação, produção, embalagem e rotulagem, transporte, armazenamento e comercialização desses produtos.

 

Execução dos serviços

 

O primeiro passo é uma verificação in loco para averiguação das técnicas empregadas e aplicação dos produtos. Esse conhecimento é relevante tanto para a empresa quanto para o conhecimento dos moradores.

Segundo Silmara, “a empresa deverá anexar, no mural ou em qualquer outro meio de comunicação que dispõe o condomínio, as condições para a isolação das áreas onde serão realizados os serviços, a data e horário do trabalho, e a verificação da presença de animais e crianças durante a aplicação”.

O prestador de serviços também deverá informar por quanto tempo a área deve ser isolada depois da conclusão, para evitar a infecção de animais e humanos. A lei assegura uma garantia de no mínimo 30 dias, embora o mais comum seja as empresas oferecem cobertura de três a seis meses, como é o caso de Dedecom Dedetizadora.

 

Como prevenir o aparecimento de pragas?

 

Uma das principais causas de pragas urbanas é a falta de higiene dos ambientes internos e externos. Logo, para evitar a atração dessas pestes, a melhor estratégia é manter o condomínio e os apartamentos sempre limpos.

Cuide para que lixeiras estejam sempre tampadas e para que não fiquem restos de alimento no entorno. O local onde o lixo é armazenado também deve ser higienizado e desinfetado regularmente.

Frestas no chão, muros e paredes também devem ser fechadas para dificultar a entrada das pragas. Telas nos ralos também impedem a entrada dos inconvenientes, e a caixa d’água deve ser lavada a cada seis meses e estar sempre tampada.

Para afastar os pombos, que podem transmitir sérias doenças aos seres humanos, a melhor solução é evitar deixar qualquer resto de alimentos à vista.

Sem comida, o animal será obrigado a procurar outro local para habitar. Outra opção é usar barreiras físicas, como telas e espículas (espécie de haste para repelir a praga) no ambiente.

 

Veja mais informações e dicas na entrevista exclusiva que Silmara, supervisora da Dedecom Dedetizadora, concedeu ao site Viva o Condomínio.

 

Viva o Condomínio: Qual a importância da dedetização nos condomínios?

Silmara: O controle de pragas urbanas é de extrema importância e deve fazer parte do calendário e orçamento de manutenção do condomínio, pois as epidemias oferecem inúmeros riscos para a saúde dos moradores, entre elas doenças como lepra, hepatite, tifo, febre amarela e disenteria.

 

Por que fazer a dedetização periódica em condomínios?

Contratar esse serviço de forma periódica é mais vantajoso, pois garante um supervisionamento profissional na proteção da estrutura, tornando-a mais duradoura e evitando prejuízos causados pelas pragas.

Qual a época do ano de maior proliferação dos insetos?

O período de outubro a novembro é o mais indicado para ação preventiva contra proliferação de pragas urbanas, pois é justamente nessa época, na primavera e também no início do verão que ocorrem os acasalamentos e a formação de novas colônias.

 

Quando realizar o controle de pragas?

Os serviços devem ser contratados semestralmente e o ideal é que exista um contrato de manutenção anual estipulado com o fornecedor. Isso evitará atrasos na contratação, no caso da manutenção semestral e, provavelmente, irá custar menos ao condomínio.

 

O que o síndico deve observar na hora de contratar uma empresa para resolver o serviço?

É indispensável que seja feita a contratação de uma empresa especializada, afinal de contas os inseticidas são venenos. Se a aplicação for malfeita, pode causar danos à saúde de moradores, colaboradores e dos animais de estimação. E isso se aplica tanto para a dedetização, quanto para a desratização. A empresa a ser contratada pode ser checada na Aprag (Associação dos Controladores de Pragas Urbanas).

Além disso, é importante solicitar alguns documentos:

  • Licença de funcionamento da vigilância sanitária;
  • Cópia de contrato social e cartão de CNPJ;
  • Documentos do responsável técnico.

Como funciona o serviço de uma empresa de dedetização dentro do condomínio? O que vocês observam, materiais químicos que usam e métodos utilizados?

O primeiro passo é uma vistoria no local para verificar quais serão as formas de aplicação e os locais onde serão empregados os produtos. Todos os detalhes da aplicação dos insumos são detalhados para serem anexados em mural dos condôminos. A empresa também deverá informar quais são as condições para isolação das áreas onde serão realizados os serviços. Esses comunicados serão anexados com pelo menos uma semana de antecedência para que as pessoas não circulem nas áreas pulverizadas. Além disso, deve-se verificar a presença de animais e crianças no condomínio durante as aplicações e quais cuidados devem ser tomados.

A garantia de serviços prestados pela Dedecom é de seis meses com vistoria, caso necessário durante este período, sem nenhum custo adicional.

Por: Guilherme de Paula Pires – Redação Viva o Condomínio

Agradecimentos: Dedecom Dedetizadora

Em respeito à Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), esse conteúdo pode ser copiado e/ou compartilhado desde que sejam citados o autor e a fonte original. O plágio é proibido e passível de punição, de acordo com o artigo 184 do Código Penal, que prevê pena de três meses a um ano, ou multa.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *