Notícias Segurança Interna 01

Anuncie aqui

Portaria virtual ganha espaço na segurança dos condomínios

Portaria virtual: sistema promete reduzir custos e aprimorar o controle de acesso nos empreendimentos imobiliários.

 

A segurança dos condomínios, e consequentemente de suas portarias, é um dos itens que mais gera preocupação e gastos aos empreendimentos residenciais. Neste cenário, um aliado que tem ganhado espaço no mercado são os sistemas de portaria remota, ou seja, portaria virtual, que substituem a figura do porteiro e prometem aprimorar o controle de acesso de pessoas e veículos, barateando a taxa paga pelos condôminos.

 

Portaria virtual

 

A principal novidade do sistema está no fato de ele tirar o porteiro da guarita e deslocá-lo para uma central de operações. A central fica instalada fora do empreendimento, ou seja, nas dependências da responsável pelo serviço.

Nesta central, um controlador treinado monitora as câmeras instaladas nos portões do condomínio e acompanha e/ou autoriza a entrada e saída de moradores e visitantes. A forma como este controle é realizado varia de acordo com o formato do serviço de cada empresa.

No sistema de portaria remota da Orsegups Participações, por exemplo, ao chegar ao empreendimento o visitante fala pelo interfone com o controlador, que está na central e recebe o áudio e o vídeo da conversa em tempo real. O controlador, então, interfona para o apartamento e solicita a autorização do morador para que seja liberada a entrada.

“Caso o morador não atenda o interfone, o controlador liga para o telefone fixo e depois para o celular. É uma sequência de contatos”, explica Douglas Roberto Pinheiro, gerente comercial da Orsegups.

A entrada e saída dos moradores é realizada por meio de pequenos chaveiros eletrônicos (Tags). Pelo portão de pedestres ou controles remotos pelo da garagem. Isto dispensa a necessidade de contato com a central, que, mesmo assim, monitora e registra todos os acessos.

Biometria

Outro tipo de controle é o realizado por reconhecimento biométrico. O sistema, oferecido pela White Proteção e Segurança, também conta com uma central remota que monitora os acessos 24 horas por dia. A diferença é que a entrada dos moradores e funcionários é liberada por uma autenticação biométrica em equipamentos instalados nas entradas do condomínio. “No leitor biométrico, o morador ainda pode acionar o ‘pânico’ com um dedo previamente cadastrado para este fim. Ele emite um alarme silencioso para a central, que aciona a polícia. E sem que o morador demonstre que está dando o alerta”, acrescenta Guilherme Camargo, diretor da filial curitibana da White.

A entrada de prestadores de serviços só é permitida após a realização do cadastro biométrico pela central. O acesso de visitantes é liberado diretamente do apartamento. Onde o morador conta com um monitor que permite fazer a identificação visual e autenticar a entrada.

A inserção de um processo que é seguido à risca pela central e torna impessoal o controle de acesso ao condomínio é tido pelas empresas como um dos fatores que levam à melhoria da segurança do empreendimento. Outro ponto destacado é a ausência de casos de desvio de função. Como ocorre com os porteiros, e a inibição da ação de criminosos, que não teriam quem render na portaria em uma situação de invasão. 

Redução de custos é outra vantagem do sistema

A despesa com funcionários, em especial com os da portaria, é um dos principais “ralos” dos gastos dos condomínios. Pode representar até 70% dos custos, como lembra Claiton Borcath, sócio gerente da BR Condos em Curitiba. Isto tem feito com que as portarias remotas conquistem os síndicos. Eles veem no sistema uma forma de economizar e baratear a taxa paga pelos condôminos.

Foi o que fez um condomínio de 26 unidades localizado no bairro Ahú, em Curitiba. O empreendimento irá substituir a tradicional portaria pelo sistema e prevê que o custo cairá pela metade. 

“Hoje, as portarias operam com três ou quatro profissionais que custam R$ 15 mil por mês, em média. Icluindo encargos sociais e trabalhistas. A portaria virtual possibilita uma redução desta despesa em até 50%”, explica Guilherme Camargo, diretor da White Proteção e Segurança.

O custo mensal para a contratação do serviço gira entre R$ 5,5 mil e R$ 7 mil, em média, variando de acordo com o serviço ofertado e as características do condomínio. Algumas empresas incluem neste valor a locação, instalação e manutenção dos equipamentos – com exceção da infraestrutura civil, como a instalação das grades para a clausura. Outras demandam um investimento adicional, que pode girar entre R$ 20 mil e R$ 60 mil, para a adaptação do sistema existente ou a instalação de equipamentos adicionais para o monitoramento.

Douglas Roberto Pinheiro, gerente comercial da Orsegups, acrescenta que o aspecto econômico do sistema se mantém em empreendimentos de até 120 unidades, a partir das quais o custo da portaria eletrônica passa a se igualar ao da física. “O ganho na segurança sempre é mantido, pois o processo é impessoal, sem a possibilidade de carteirada”, completa.

R$ 15 mil

É o custo médio para se manter uma portaria com funcionários 24 horas por dia em um condomínio. Empresas que operam sistemas remoto dizem que baixam o custo da portaria para R$ 5,5 mil a R$ 7 mil. Também é preciso investir até R$ 60 mil em equipamentos para adaptar o sistema de segurança

 

Fonte: Gazeta do Povo


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com