Síndicos participam de debate sobre mudanças na legislação do Corpo de Bombeiros do Paraná

No dia 21 de março (quinta-feira), os síndicos do Clube Síndico Profissional – Coletivo Nacional de Síndicos e convidados participam do evento gratuito “Café com Conteúdo” Clube Síndico Profissional. Na ocasião, ocorrerá a palestra com o Major Marcelo Godoi da Silva, do Setor Técnico do Corpo de Bombeiros do Paraná.

O encontro visa identificar os detalhes da Lei 19.449/2018, que passou a vigorar em janeiro de 2019. A legislação dá poder de polícia para o Corpo de Bombeiros, intensifica a fiscalização educativa e traz desburocratização para os procedimentos do Corpo de Bombeiros.

Implementar regras de combate a incêndio nos condomínios é extremamente relevante e as ações devem ser tomadas de forma constante. Por isso, o Clube Síndico Profissional desenvolveu um Programa de Educação Continuada com este tema. Os síndicos poderão fazer a inscrição e enviar perguntas para tirar suas dúvidas gratuitamente.

A presidente do Clube Síndico Profissional, Eli Antonelli, enfatiza a relevância da ação: “O tema é de extrema importância e para isso o Programa de Educação Continuada – PROSIREF irá contribuir levando essas informações aos síndicos de forma contínua. A palestra visa somar à ação”, destaca.

Para falar sobre o tema, convidamos um dos principais síndicos profissionais de Curitiba, Marcelo Silveira da Oriom Síndicos Profissionais,  para exemplificar os procedimentos que o síndico deve adotar no condomínio para cumprir as normas do Corpo de Bombeiros de combate a incêndio.

 

Seguem algumas perguntas que destacamos para abertura do debate desta quinta-feira:

 

Clube Síndico Profissional: Ao assumir um condomínio, quais são os primeiros passos que você e sua equipe tomam para identificar se há cumprimento da legislação de combate a incêndio?

Marcelo Silveira: No primeiro mês de gestão realizamos uma vistoria geral do condomínio para localizar onde está o quê, avaliar a manutenção, o sistema de combate a incêndio etc. Geralmente desta vistoria elaboramos uma memória visual, contendo fotografias, localização e situação, o que nos permite montar o plano de manutenção. Nesta vistoria, já averiguamos de maneira inicial o checklist contra incêndio, fundamentalmente os itens obrigatórios, tais como extintores, mangueiras e hidrantes, funcionamento adequado das portas corta fogo, obstrução nas escadarias, corrimãos, sinalização etc. Junto a isso, verificamos se os funcionários possuem curso de brigada de incêndio. Se as coisas estão em ordem, fazemos os ajustes necessários e efetuamos a manutenção. Mas existem casos, principalmente em condomínios mais antigos, em que a situação é dúbia ou claramente irregular: nestes casos, costumamos chamar empresas especializadas para avaliar e orçar a adequação do condomínio.

CSP: Você realiza comunicação periódica em seus condomínios com os moradores, de como agir em situações de incêndio? Quais providências você destaca?

MS: A comunicação periódica é algo importante, mas como temos de enviar muitos comunicados regulares, na prática, alguns moradores com o tempo deixam de se atentar para o que informamos. Então, é preciso certa cautela. Funciona muito bem realizar campanhas de “educação condominial”, ou seja, um comunicado diferente do padrão, com ilustrações, dando dicas de segurança… Outra coisa que fazemos é enviar um comunicado via mensagem para os moradores em véspera de feriados ou período de férias, alertando para certos cuidados antes de sair para viajar. Não é só sobre riscos de incêndio, mas de outros riscos também. Ponto capital é orientar para que fechem o registro de gás, confiram se não há nenhum indício de vazamento e desliguem os eletrodomésticos das tomadas.

CSP: Você já assumiu condomínio que não tinha AVCB? Foi complexo o processo para resolver? Cite alguma situação e suas sugestões de como dar andamento para regularizar.

MS: Sim. O maior problema é que geralmente se o condomínio não tem AVCB é porque não está regular, e se não está regular é porque não houve preocupação com isso anteriormente. Logo, também não tem caixa previsto para fazer a adequação, que não costuma ser barata.

Um caso típico com o qual me deparei foi o de um condomínio muito antigo na região central, com duas torres altas, que não possuía nada, salvo os extintores, hidrantes e mangueiras. Tivemos de atuar gradualmente, informar o que faríamos e aprovar orçamentos em assembleia. Montamos um cronograma, iniciando pela instalação dos corrimãos, seguindo para o ajuste dos medidores de luz (que ainda eram daqueles de disjuntores de alavanca), instalação de luzes de emergência etc. Nada fácil, principalmente no que tange à aprovação dos orçamentos, então é preciso conscientizar o pessoal.

 

Programa de Educação Continuada para Síndicos – PROSIREF

Tema: Normas de Combate a Incêndio

Local: Auditório Batel

Horário: 9h às 13h

Telefone: 41 99779-5378

Coordenação Geral: Presidente do Clube Síndico Profissional Eli Antonelli

Convidados:

  • Major do Corpo de Bombeiros Marcelo Godoi da Silva
  • Síndico Profissional Marcelo Silveira

INSCRIÇÃO:

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSexqS87IqG1YBFwKuLLAz8XHXoWIS0t-0BtY1bLuukU3EfuRw/viewform


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *