Notícias Dia Interna

Anuncie aqui

Vazamento de gás em condomínio

Veja algumas dicas, normas, responsabilidades e o que fazer em casos de vazamento de gás em condomínio.

 

Vazamento de gás em condomínio
Vazamento de gás em condomínio

 

Dispor de gás encanado é um privilégio e traz algum conforto para o morador, que já não precisa mais se preocupar em repor o antigo botijão de gás sempre que o produto acabar.

Porém, a distribuição de gás pelo condomínio necessita de cuidados, uma vez que o vazamento pode ocasionar mortes, como a do último domingo, em Campos do Jordão, e pôr em risco a estrutura do prédio com uma possível explosão.

 

Veja abaixo algumas dicas, normas e responsabilidades e o que fazer em casos de vazamento de gás em condomínio.

 

Dicas de manutenção

 

Mesmo não sendo obrigatório por lei, nem havendo fiscalização para tal, é aconselhável que a manutenção dos sistemas de gás do condomínio ocorra uma vez por ano.

 

– Comece pela vistoria visual. Acompanhe o sentido dos canos para saber se estão em boas condições. Caso apresentem danificações como amassados e ferrugens se faz necessário o reparo.

 

– Em seguida, verifique a central de gás. Note se todas as placas de advertência estão fixadas e visível aos funcionários e moradores, bem como se o local está cercado por grades.

 

– Faça um teste de estanqueidade em todos os ramais de distribuição de gás para constatar possíveis vazamentos.

 

– Note se a tubulação de gás está muito próxima de fios elétricos. Isso aumenta o risco de explosão em casos de vazamento.

 

– Se o encanamento é muito antigo, de ferro galvanizado, por exemplo, e for necessária a troca das tubulações, o ideal é fazer a substituição por peças de cobre. Apesar de ser mais cara, a sua durabilidade é mais extensa.

 

Responsabilidades

 

Conforme Portaria 47/1999 da Agência Nacional de Petróleo (ANP), a distribuidora de abastecimento de gás do condomínio é responsável pela manutenção e vistoria da central de gás até o primeiro regulador de pressão.

 

Já nas partes comuns, da central de gás até o quadro de medição, a responsabilidade pela manutenção e vistoria passa a ser do condomínio. É necessário frisar que em casos de negligência na manutenção, que gere acidentes ou danos à estrutura da edificação, o síndico pode ser responsabilizado.

 

É de competência dos condôminos os cuidados que vão desde os medidores até os pontos de consumo dentro de cada unidade. É vital que os moradores fiquem atentos em casos de cheiro de gás dentro da unidade. Se isso ocorrer, avise o zelador ou o síndico e peça uma vistoria de técnicos especializados.

 

Normas

 

São três NBRs que regulamentam os requisitos para instalação de centrais de gás em condomínios.

 

– NBR 13103 especifica os requisitos mínimos exigíveis para projeto, construção, ampliação, reforma e instalação de aparelhos a gás para cocção, aquecimento de água e de ambiente, refrigeração, lavagem, secagem, iluminação, decoração e demais utilizações de gás combustível em ambientes residenciais.

 

– NBR 15526 instrui sobre projeto e execução das redes de distribuição interna que possam ser abastecidas tanto por canalização de rua quanto por uma central de gás.

 

– NBR 13523 estabelece os requisitos mínimos para projeto, montagem, alteração, localização e segurança das centrais de gás liquefeito de petróleo (GLP), para instalações comerciais, residenciais, industriais e de abastecimento de empilhadeiras ou equipamentos industriais de limpeza.

 

Fique de olho também na validade dos conjuntos de regulagem e medidores

 

Reguladoras possuem validade de cinco anos, conforme norma da ABNT 8473:2001.

 

– Fabricantes orientam a troca dos medidores em, no máximo, 10 anos.

 

– A tubulação de gás depende da durabilidade do material utilizado.

 

1- Tubos galvanizados possuem vida útil de aproximadamente 25 anos.

 

2- Já os tubos de cobre duram por volta de 50 anos.

 

Em casos de vazamento, não se esqueça de seguir essas orientações, elaboradas pelo Corpo de Bombeiros de São Paulo (SP).

 

Vazamento de gás SEM fogo
  • Feche o registro de gás.
  • Afaste as pessoas de local.
  • Não acione interruptores de eletricidade.
  • Desligue a chave geral de eletricidade somente se ela estiver fora da residência.
  • Não fume nem acenda fósforos ou isqueiros.
  • Se ocorrer em ambiente fechado, abra portas e janelas.
  • Entre em contato com a empresa distribuidora de gás e, em casos mais graves, com o Corpo de Bombeiros.

 

Vazamento de gás COM fogo
  • Se possível, feche o registro de gás.
  • Afaste as pessoas do local.
  • Desligue a chave geral da eletricidade.
  • Retire do local os materiais combustíveis que puder.
  • Chame o Corpo de Bombeiros.

 

Por: Guilherme de Paula Pires
Redação Viva o Condomínio
 
Em respeito à Lei de Direitos Autorais (Lei 9.61098), este conteúdo pode ser copiado e compartilhado, desde que sejam citados o autor e a fonte original. O plágio é proibido e passível de punição, de acordo com o artigo 184 do Código Penal, que prevê pena de três meses a um ano, ou multa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *