Publicado em 24 de junho de 2021

Preço do gás encanado preocupa condomínios

Não é só quem compra o botijão de 13kg que está preocupado com os constantes e elevados aumentos no preço do gás

Tanto o GLP quanto o natural tiveram reajustes em 2021

 

 

Não é só quem compra o botijão de 13kg que está preocupado com os constantes e elevados aumentos no preço do gás. Em Canoas-RS, conforme relatório desta semana da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustível (ANP), o valor da unidade está variando entre R$ 78,00 e R$ 89,50, mas há relatos de que alguns lugares já estão vendendo o botijão a R$ 110,00.

Quem mora em condomínio recebe o gás, geralmente, na forma encanada, seja ele GLP ou GNV e também sente os impactos no bolso. Síndico profissional, Marcelo Feijó administra 15 residenciais em Canoas-RS e trabalha arduamente para negociar com as distribuidoras. “Quando a Petrobras anuncia aumento, o repasse é automático, mas quando reduz, as empresas não mudam nada. Por isso, fizemos um balanço do ano para mostrar que havia disparidade de valores e, assim, conseguimos negociar descontos para os condomínios”, explica ele.

Em um condomínio, no Bairro São José, são 640 apartamentos que dependem do gás encanado.

Lá, é GLP, ou seja, a distribuidora vai mensalmente abastecer os 20 botijões de 190 quilos para manter o funcionamento. Conforme Feijó, o condomínio utiliza, em média, 1.100kg por mês, com o preço de R$ 5,19 o quilo.

“Estávamos pagando cerca de R$ 9,00 o quilo do gás, mas renegociando conseguimos chegar a este valor. No Moradas Club a cobrança é feita de forma individualizada, o que também facilita, pois a distribuidora faz a medição e cobra de cada apartamento conforme a utilização. Assim, se temos inadimplentes no condomínio, o coletivo não sai no prejuízo”, destaca ele.

Apenas em 2021, Feijó já contabilizou em torno de 30% de aumento no preço do gás para condomínios. Segundo a Petrobras, para o encanado, o último reajuste, que aconteceu na semana passada, adicionou 4,58% a conta e, no caso do GLP, o novo acréscimo elevou o custo em 5,9%.

Em nota ao mercado, a estatal reforçou que “os valores praticados nas refinarias são diferentes dos percebidos pelo consumidor final no varejo, pois até chegar ao cliente são acrescidos tributos federais e estaduais, custos para envase pelas distribuidoras, além dos custos e margens das companhias distribuidoras e dos revendedores”.

Registro de consumo maior na pandemia

Afora os aumentos de preço, Feijó também percebeu crescimento no consumo de gás durante a pandemia em Canoas-RS. Na comparação com o pré-isolamento, os moradores de condomínios passaram a utilizar 25% a mais. As reclamações são constantes, por isso o síndico está sempre atento ao que pode ser negociado.

“No caso do GNV temos um problema, pois a Sulgás tem o monopólio de distribuição no município e, com isso, fica mais difícil barganhar os valores. Além disso, eles não fazem o faturamento direto e individual, nós temos que fazer a leitura e cobrar no doc do condomínio, mas aí se alguém não paga, os outros também sentem a despesa”.

Para conscientizar os condôminos, a administração faz campanhas com dicas de como economizar o gás, visto que mensalmente são feitos reajustes pela Petrobras que pesam no bolso do canoense.

Bolsonaro fala sobre impostos federais

No domingo (20), o presidente da república, Jair Bolsonaro (sem partido), utilizou as redes sociais para rebater a um seguidor que questionava a alta no preço do gás de cozinha. Em uma publicação feita em sua oficial do Twitter, Bolsonaro se eximiu da culpa sobre os reajustes e citou a compra de vacinas.

“Zeramos os impostos federais do gás de cozinha! Também ultrapassamos a distribuição de 110 milhões de doses de vacina contra a Covid-19 para Estados e municípios. Continuaremos assim. Creio que não precisamos dizer de quem tem que cobrar sobre o preço do gás, pois certamente já sabe! Um forte abraço e seja feliz sempre”, escreveu. Vale ressaltar que, em abril, Joaquim Silva e Luna assumiu a presidência da Petrobras por indicação de Bolsonaro.

Principais diferenças entre o GLP e o Gás Natural

No caso dos condomínios que utilizam GLP, existem centrais onde ficam os enormes botijões que abastecem todas as unidades residenciais e são reabastecidos por caminhões-tanque. De lá, o gás chega até os apartamentos por meio de encanamento.

Já o Gás Natural é extraído em minas e distribuído por uma rede de dutos conectada aos consumidores.

Outra diferença está no formato de comercialização. A conta do GLP é feita em quilos e do GN em metros cúbicos.

Como informado por Feijó, o GN tem monopólio estadual, mas no GLP oferece mais liberdade, pois pode ser vendido por diversas distribuidoras.

Benefícios do Gás Natural

Apesar do monopólio, o GN vem ganhando notoriedade entre os moradores e administradores de condomínios por oferecer algumas vantagens técnicas. O fornecimento, por exemplo, é contínuo e independe da substituição de botijões ou reabastecimento. Além disso, o Gás Natural é considerado menos agressivo para os equipamentos a gás.

Gás de cozinha 70% mais caro

De maio de 2020 a junho de 2021, os aumentos da Petrobras no preço do GLP, conhecido como o gás de cozinha, ultrapassam a marca dos 70% em Canoas-RS. Os revendedores precisam lidar ainda com a elevação dos impostos, especialmente o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que incorporou ao botijão de 13kg R$ 3,23 no último ano.

 

 

Fonte: Diário de Canoas

Assine a newsletter do Viva e receba
notícias como esta no seu e-mail

    Comente essa postagem

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios.

    Seu comentário será moderado pelo Viva o Condomínio e publicado após sua aprovação.

    Alberto

    Há 906 dias

    Boa tarde. Qual a taxa de manutenção (sem consumo) de ligacão individual num apartamento?

    Viva O Condomínio

    Há 892 dias

    Prezado Sr. Alberto, recomendo verificar com a concessionária responsável. Att Dr. Fernando Zito