Publicado em 16 de maio de 2019

Choro de bebês em condomínios

Organizar uma conversa entre os condôminos e os pais; instalar carpetes e tapetes para abafar o ruído; ou, em casos mais extremos, providenciar a instalação de um isolamento acústico pode ajudar na situação.

O choro de bebês não está previsto na lei do silêncio. Portanto, o mais prudente é apelar para o bom senso.

Na última rodada de negócios, organizada pelo Viva o Condomínio, uma pergunta suscitou um grande debate entre os presentes: como lidar com os barulhos que incomodam, mais especificamente como agir em casos de choro de bebês em condomínios.

Por isso, a seguir você irá saber um pouco mais sobre o tema.

Agir de forma diplomática e sem estresse é o caminho mais correto para lidar com o choro de bebês em condomínios. Como esse tipo de barulho não está previsto na lei do silêncio, ambos os lados precisam apelar para o bom senso.

Organizar uma conversa entre os condôminos e os pais; instalar carpetes e tapetes para abafar o ruído; ou, em casos mais extremos, providenciar a instalação de um isolamento acústico pode ajudar na situação.

Porém, como disse o nosso colunista, Fernando Passos Gama, no vídeo “choro de bebês em condomínio”, todos nós já fomos crianças um dia e já choramos bastante.

Veja o vídeo a seguir

Redação Viva o Condomínio
Por: Guilherme de Paula Pires
Em respeito à Lei de Direitos Autorais (Lei 9.61098), este conteúdo pode ser copiado e compartilhado, desde que sejam citados o autor e a fonte original. O plágio é proibido e passível de punição, de acordo com o artigo 184 do Código Penal, que prevê pena de três meses a um ano, ou multa.

Assine a newsletter do Viva e receba
notícias como esta no seu e-mail

    Comente essa postagem

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios.

    Seu comentário será moderado pelo Viva o Condomínio e publicado após sua aprovação.

    Dione

    Há 816 dias

    E quando o condomínio já deu duas multas, e a mãe está sem saber o que fazer. Eu particularmente não concordo com essa atitude por parte da Administração.

    Viva O Condomínio

    Há 802 dias

    Prezada Dione, é uma situação temporária, o bebê cresce e o choro acaba, mas, infelizmente, existem pessoas que só pensam em si. Ao invés de reclamar e exigir advertência e multa, será que o vizinho que reclama não poderia perguntar se a mão precisa de ajuda ? Att Dr. Fernando Zito

    Cpuppim2021@gmail.com

    Há 1058 dias

    E quando não é o choro do bb que te acorda, mas sim os pais pisando forte e deixando cair objetos quando vão atender ao choro do bb?

    Viva O Condomínio

    Há 1053 dias

    Prezado, Recomendo tentar conversar com os pais, que são seus vizinhos, às vezes resolve, caso não seja resolvido, falar com o síndico. Att Dr. Fernando Zito

    Juliana Félix

    Há 1464 dias

    Tenho um filho de 1 ano e 4 meses, ele é sorridente e muito simpático. Moramos em apartamento faz uns 5 meses, e nossa vizinha de porta socou nossa parede da sala algumas vezes, não fizemos nada, até que um dia meu filho começou a chorar, era exatamente 22:05 da noite, quando novamente ela socou nossa parede e depois foi pra janela dizer que não era hora de chorar. Eu estressa já com isso respondi pela janela também. Eu e meu esposo respeitamos os vizinhos, em nossa casa não tem barulho de som e nada que possa ser inconveniente aos outros moradores. Me senti constragida com com tudo isso, pois perguntei até a vizinha que morar no apartamento a baixo do nosso para saber se estavamos incomodando, e a moradora disse qie não, que crianças choram mesmo e que a vizinha já arrumou problemas com outros vizinhos do prédio. Gostaria de uma orientação, pois penso até em me mudar por conta do constrangimento.